top of page
  • Foto do escritorCarolina Ligocki

Três passos para construir tranquilidade financeira

Atualizado: 4 de jun.

Se hoje você tivesse uma reserva financeira, estaria vivendo com mais tranquilidade?


Depois de tudo o que temos vivido e visto acontecer com bastante tristeza, fica fácil perceber a importância de ter uma reserva financeira, não é mesmo? A Pandemia e desastres como o de Brumadinho, vazamento de óleo no litoral brasileiro e os alagamentos do Rio Grande do Sul, nos mostram que imprevistos acontecem. A reserva financeira permite passar por desafios com mais opções de escolhas, seja para ocasiões como essas ou algo na família, saúde, demissão.


Temos que viver bem cada dia, usufruir do presente, pois não sabemos o dia de amanhã, mas ao mesmo tempo, não podemos viver o presente como se não houvesse amanhã. Parece controverso, mas desde que começamos a nossa jornada para construir a sustentabilidade financeira, vimos que é possível conciliar as duas coisas, desde que as prioridades do presente e do futuro sejam definidas. O que você quer viver hoje e no futuro? Faça uma lista por escrito do que realmente valoriza, isso é um ponto fundamental que ajuda a manter o foco no dia a dia. 


Ao ajudar outras pessoas por mais de 20 anos, aprendemos que é possível mudar hábitos financeiros independentemente da idade, da situação e da faixa de renda. Quando as pessoas percebem que têm um fluxo de dinheiro, que tomam decisões e movimentam o dinheiro, elas definem objetivos e prioridades. Consequentemente fica mais fácil agir de forma proativa, assertiva, preventiva e mais responsável, pois seu fluxo de dinheiro estará sendo direcionado. Separei 3 sugestões valiosas para quem quer estar melhor preparado para o futuro e, também, viver bem o presente.

  1. Defina suas prioridades atuais e futuras. Atenção! Não faça apenas UMA reserva para o futuro. Pense nos objetivos que vão garantir tranquilidade como ter reservas para saúde, imprevistos, aposentadoria e objetivos de bem-estar e conforto como por exemplo, dinheiro para viajar, participar de maratonas, fazer tratamentos estéticos, participar de shows e eventos culturais. 

  2. Guarde dinheiro mensalmente para esses objetivos. Sempre que receber algum dinheiro, já separe uma parte para cada um deles, antes de começar a gastá-lo com as contas do dia a dia. Lembre-se, mais importante do que a quantidade é o comportamento de guardar.

  3. Aplique o dinheiro guardado para os objetivos em investimentos que tenham retornos acima da inflação. Busque conhecimento e ajuda de pessoas confiáveis para fazer isso e para obter retornos mais adequados para cada objetivo. Por exemplo, um dinheiro para ser usado em imprevistos deve estar disponível para ser usado a qualquer momento e não deve ser aplicado com baixa liquidez ou algo de maior volatilidade.



Seguindo essas estratégias ficará mais fácil fazer decisões acertadas no presente porque você saberá para onde está direcionando o dinheiro, conseguirá usar bem o dinheiro, reduzir desperdícios e garantir o futuro. Sempre que surgir o desejo de comprar algo, pergunte-se: comprar isso agora, me afasta ou me aproxima dos meus objetivos?



O Léo e eu mantemos essa lista de objetivos sempre atualizada pois a vida é dinâmica, surgem imprevistos e oportunidades. Vamos fazendo escolhas e ajustando os desejos e as necessidades ao longo do tempo de acordo com o momento que estamos vivendo. Por exemplo, quando engravidei, passamos a direcionar mais dinheiro para o objetivo de "filhos futuros" e menos para viagens, pois naquele momento, mudaram as prioridades.


Quando enfrentamos desafios e imprevistos e temos reservas financeiras, fica mais fácil se restabelecer e ajudar outras pessoas. Cada um tem a própria jornada, enfrenta e supera desafios únicos. Usando estratégias financeiras como essas é possível ter mais autonomia  e viver com maior tranquilidade e leveza. Diferente do que a maior parte das pessoas pensa, a disciplina financeira LIBERTA. Experimente aplicar essas sugestões em sua vida e faça sua transformAÇÃO! Até a próxima!



Carolina Ligocki

Autora e Fundadora da Oficina das Finanças


Commentaires


bottom of page